Sobre o blog

Vida de ponto-e-vírgula: o modo de vida assim nomeado define-se negativamente: não é ponto, mas também não é vírgula. A vírgula alterna as coisas com muita rapidez. O ponto final é sisudo, sempre encerra períodos! Bem melhor ser ponto-e-vírgula: uma pausa que não é definitiva, e uma retomada que sempre pode ser outra coisa...



sexta-feira, 14 de maio de 2010

Infames


Imagem: http://quegi.org

Recentemente, li duas reportagens sobre atuações governamentais na questão da ocupação irregular do espaço urbano. A primeira saiu na edição deste mês (maio) da revista Piauí. O título é: Quem vive na Rua em Ipanema e, como dá pra imaginar, trata da população de rua deste que é um dos bairros mais caros de se morar no Brasil.


A segunda eu li num blog, e a data é de abril, mas somente hoje chegou a mim via e-mail, como denúncia. Trata da questão da pressão sofrida por profissionais de saúde mental, na cidade de São Paulo, para internarem, à força, as crianças da Cracolândia - aquela região bem no centro de São Paulo onde crianças consomem à luz do dia diversas substâncias entorpecentes - sem que nada seja feito efetivamente pelo poder público, há décadas.


No Rio, o prefeito Eduardo Paes anunciou, logo de início, aquela que se tornaria a sua principal bandeira de gestão: a Operação Choque de Ordem! Na época, tremi só de ouvir a expressão e o que ela propunha: a limpeza do espaço social. Na entrevista da Piauí, Paes desabafa sobre o seu dilema de estar “entre o lado humanitário e as pressões de limpeza da rua”. Podemos ver que ele optou por ceder às pressões higienistas das classes médias e altas, como, aliás, já era de se esperar.


Em São Paulo, em virtude da Operação Centro Legal, a equipe de saúde mental do Capsi da Praça da Sé sofreu com as pressões da Prefeitura e da Secretaria Municipal de Saúde daquela cidade, no sentido de internarem compulsoriamente as crianças usuárias de drogas da Cracolândia. A entrevista do psiquiatra Raul Gorayeb, então diretor do Capsi – que sempre se recusou a cumprir as determinações –, resultou no afastamento do médico. Para Gorayeb, a operação Centro Legal está mais para “varrição do entulho social” (sic).


O absurdo tratamento que os prefeitos do Rio de Janeiro e de São Paulo têm dado aos prementes problemas sociais de nosso país não é, de fato, nenhuma novidade. É assim desde que a enorme massa de negros, ex-escravos, se viu livre pela lei assinada em 13 de maio de 1888 (aliás, ontem fez 122 anos da lei áurea). Livres do jugo de seus senhores, porém inexoravelmente presos por uma malha de desigualdades sociais que os pega de todos os lados, e os mantém reféns das estratégias de dominação empreendidas por sucessivos governos autoritários e discriminatórios.


A reportagem da Piauí está disponível no site da revista apenas para assinantes, mas o blog que mencionei está aberto a quem queira ler a matéria. O endereço é http://futuro9.blogspot.com/2010/04/psiquiatra-afirma-sofrer-pressao-para.html

Um comentário:

Ivan de Castro disse...

Oi Bia, adorei seus comentarios e sua dica foi incrivel, adorei o tema e resolvi estudar o assunto e toda semana explicar uma resolucao inutil da ONU . a primeira já tá no blog.bjs e Muito obrigado
PS agradeci vc no post